O conhecimento da ascendência genética como um direito de personalidade: uma proposta para a reconfiguração do contrato de doação de material germinativo

Tomlyta Luz Velazquez

Resumo


O presente trabalho propõe a reconfiguração do contrato de doação de material germinativo, visando o conhecimento da ascendência genética como um direito de personalidade do concebido por reprodução heteróloga. Para tal, mediante de pesquisa bibliográfica, examinar-se-á livros e artigos, bem como normas que defendem o conhecimento da origem biológica como direito inviolável, à luz da identidade pessoal e do preceito fundamental da dignidade da pessoa humana. A partir das análises doutrinária e jurisprudencial, tal artigo perpassará sobre questões relacionadas à intervenção do Estado na autonomia reprodutiva e o acesso às técnicas de reprodução assistida. Identificar-se-á que o conhecimento da origem genética possui implicações na garantia da identidade pessoal e do direito fundamental à personalidade e, em defesa de tal preceito, far-se-á um debate analógico com o ato jurídico da adoção e suas normativas, bem como a diferenciação entre os fundamentos do conhecimento da origem genética e o estado de filiação. Nesse sentido chegar-se-á à conclusão que, diante da falta de legislação específica sobre o tema no Brasil, se faz necessária a previsibilidade da possibilidade de conhecimento da ascendência genética por meio da inclusão de cláusula no contrato de doação de material germinativo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Mônica. Direito à filiação e bioética. Rio de Janeiro, Forense: 2005.

AMARAL, Francisco. Direito Civil: introdução. 7 ed. rev. atual e aum. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

AULER, Juliana Alencar. Adoção e o direito à verdade sobre a própria origem. Belo Horizonte, Tribunal de Justiça de Minas Gerais: 2010.

BARACHO, José Alfredo de Oliveira. A identidade genética do ser humano. Bioconstituição: bioética e direito. Disponível em: Acesso em 25 out 15.

BITTAR, Carlos Alberto. Os Direitos da Personalidade, 8ª edição. Saraiva, 10/2014. VitalSource Bookshelf Online. Disponível em: Acesso em: 7 ago. 2015.

BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Direitos de personalidade e autonomia privada. 2 ed. rev. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 14

BRASIL. Código civil. Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2015.

______. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 2.121/2015. Seção I, p. 117. Disponível em: . Acesso em 23 out. 2015.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: . Acesso em 20 jul. 2015.

______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei n. 8.069 de 13 jul. 1990. Disponível em: . Acesso em 20 jul. 2015.

______. Planejamento Familiar. Lei n. 9.263 de 12 jan. 1996. Disponível em: . Acesso em 7 set. 2015.

______. Superior Tribunal de Justiça. REsp 127541 RS 1997/0025451-8. Relator: Ministro Eduardo Ribeiro. Publicado no DJ de 28-08-2000 p. 72. Disponível em: . Acessado em: 8 ago. 2015.

______. Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Apelação Cível nº 0052751625 RS. Relator: Luiz Felipe Brasil Santos. 18 abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 nov 2015.

CECATTO, Samara de Aguiar. O direito do adotado à identidade biológica. Disponível em: Acesso em: 08 ago. 2015.

COBACHO, José António Gómez. Comentsrios a la Ley 14/2066, de 26 de mayo, sobre técnicas de reprodución humana asistida. Cizur Menor: Aranzadi, 2007.

CORREA. Francisco J. León. El diálogo bioético en las técnicas de reproducción asistida. Acta Bioethica, Año XIII – N° 2. Santiago: Programa de Bioética de la Organización Panamericana de la Salud/Organización Mundial de la Salud - OPS/OMS, 2007, p. 161.

DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. 9. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2013.

DONIZETTI, Leila. Filiação socioafetiva e direito à identidade genética. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2007.

FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de direito civil: famílias. 5. ed., rev., ampl. e atual. Salvador: Juspodivm, 2013. v. 6.

GAGLIANO, Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil: parte geral. 1. ed., v.1, rev., atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2013.

______ , ______. Novo curso de direito civil: direito de família: as famílias em perspectiva constitucional. 4. ed.,v.6. rev., atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2014.

GAMA, Guilherme Calmon Nogueira. A nova filiação: o biodireito e as relações parentais. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

HAMMERSCHMIDT, Denise; OLIVEIRA, José Sebastião de. Direito à intimidade genética: um contributo ao estudo dos direitos da personalidade. Revista Jurídica Cesumar, v. 6, n. 1. Disponível em: Acesso em: 8 ago. 2015

HATEM, Daniela Soares. Questionamentos jurídicos diante das novas técnicas de reprodução assistida. In: SÁ, Maria de Fátima (Coord.). Biodireito. Belo Horizonte: Del Rey, 2002.

LOBO, Paulo Luiz. Direito ao estado de filiação e direito à origem genética: uma distinção necessária. Brasília, 2004. Disponível em: Acesso em: 20 set 15.

LOUREIRO, João Carlos. “O nosso pai é o doador n.xxx”: a questão do anonimato. In. RIBEIRO, Gustavo Pereira Leite; TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado. (coords.). Bioética e Direitos da Pessoa Humana. Belo Horizonte: Del Rey, 2012.

LUCHI, Cinthia Sebenello Barden. Bioética, direito e sexualidade. São Paulo: Editora Lawbook, 2007, p. 62-64.

MONTEIRO, Washington Barros, PINTO, Monteiro Ana Cristina de Barros França. Curso de direito civil. v. 1. parte geral, 44ª ed. Saraiva, 02/2012. VitalSource Bookshelf Online. Disponível em Acesso em: 7 ago. 2015.

OTERO, Paulo. Personalidade e identidade pessoal e genética do ser humano: um perfil constitucional da Bioética, Coimbra: Almedina,1999.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Direito de família do século XXI. In: FIUZA, César; SÁ, Maria de Fátima; NAVES, Bruno Torquato de Oliveira (Coords.). Direito civil: atualidades. Belo Horizonte: Del Rey, 2003, p.235-236.

PETTERLE, Selma Rodrigues. O direito fundamental á identidade genética na constituição brasileira. Porto Alegre, 2006. Dissertação (Mestrado), Fac. de Direito, PUCRS, 2006. Disponível em: Acesso em: 9 ago. 2015.

QUEIROZ, Juliane Fernandes. A disponibilidade do material genético – sêmen – após a morte do seu titular. In. CASABONA, Carlos María Romeo; QUEIROZ, Juliane Fernandes. (coords.) Biotecnologia e suas implicações jurídicas. Belo Horizonte: Del Rey, 2005, p. 287.

RESENDE, Cecília Cardoso Silva Magalhães. As questões jurídicas da inseminação artificial heteróloga. Portal de e-governo, inclusão digital e sociedade do conhecimento. Postado em 2012. Disponível em: . Acesso em 10 out. 2015.

RIBEIRO, Gustavo Pereira Leite. Breve comentário sobre aspectos destacados da reprodução humana assistida. SÁ, Maria de Fátima de (coord.). Biodireito. Belo Horizonte: Del Rey, 2002, p. 297.

SCHAEFER, Fernanda. Bioética, biodireito e direitos humanos. In: MEIRELLES, Jussara Maria Leal de (Coord.). Biodireito em discussão. Curitiba: Juruá, 2008, p. 39.

SCHREIBER, Anderson . Direitos da Personalidade: Revista e Atualizada, 3ª edição. Atlas, 10/2014, p. 214. VitalSource Bookshelf Online. Disponível em: Acesso em: 9 ago. 2015.

SCHREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade: Revista e Atualizada, 3ª ed. Atlas, 10/2014, p. 220. VitalSource Bookshelf Online. Disponível em: Acesso em: 10 ago. 2015.

SHEIDWEILER, Maria Lima. A reprodução humana medicamente assistida, sua função social e a necessidade de uma legislação especifica. In: MEIRELLES, Jussara Maria Leal (coord.). Biodireito em discussão. Curitiba: Juruá, 2008, p. 28.

SILVA. Jackeline de Melo da. Inseminação Heteróloga: direito a identidade genética x direito ao sigilo do doador. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2015.

TARTUCE, Flávio. Manual de direito civil: volume único. 4. ed. rev. atual. ampl. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.