A BUSCA PELO ENTENDIMENTO DO TEMA VOLUNTARIADO PELOS ALUNOS DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR DO SUL DO BRASIL

Anelise Crippa, Laura Só Araújo, Anamaria Gonçalves dos Santos Feijó

Resumo


O trabalho voluntário é uma atividade de livre iniciativa de pessoas em tentar proporcionar para terceiros desconhecidos algum bem-estar, dedicando seu tempo sem remuneração, em prol do benefício dos indivíduos e da sociedade. Em 2005 a UNESCO promulgou a Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. Este documento reconhece como fatores que influenciam a saúde tanto os progressos da investigação científica e tecnológica, quanto os psicossociais e culturais. Este conceito amplo de saúde também é preconizado pela OMS que a define como sendo o estado de completo bem-estar físico, mental e social. Na Bioética, mais especificamente na corrente principialista, proposta por Beauchamp e Childress em 1979, o bem da outra pessoa já era enfatizado no princípio da Beneficência. Esta solidariedade, embora possa ser difícil de ser vivenciada no mundo desigual como o que se encontra contemporaneamente, pode ser considerada como a mola mestra que impulsiona os voluntários a buscar o outro ser humano com o intuito de ajudá-lo. Vindo ao encontro destas ideias, ou seja, da busca pelo bem do outro vivenciando a solidariedade, o Planejamento Estratégico da PUCRS é enfático em salientar que a “formação humana e profissional desenvolvida pela PUCRS destaca-se pela ênfase na evangelização com base no respeito aos direitos humanos, na justiça, na solidariedade, na democracia e na paz, orientada à valorização da pessoa”. Este panorama permite que a PUCRS, e mais especificamente a Pastoral Universitária, trace linhas de proposição sobre o tema que venham ao encontro do que pensam e se interessam os alunos que ora ingressam na universidade. Assim, visa-se atingir de forma específica uma das metas definidas pela instituição marista que é o fomento de ações com vistas a real vivência da solidariedade no âmbito institucional.

Palavras-chave


Bioética, Voluntariado, Solidariedade.

Texto completo:

PDF

Referências


Crippa A, Isidoro T, Feijó AGS. Voluntariado e Saúde. Revista da AMRIGS. 2014; 58(3): 247-251, jul.-set.

Wessels B. Organizing capacity of societies and modernity. In Deth JWV. Private groups and public life: social participation, voluntary association and political involvement in representative democracies. New York: Routledge; 1997, 201-223.

Organização das Nações Unidas. Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. 2005. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001461/146180por.pdf. Acesso em: 28 ago 2014.

World Health Organization. Constitution of the World Health Organization. Basic Documents. 1946. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html. Acesso em: 04 set 2014.

Beauchamp TL, Childress JF. Princípios de ética biomédica. São Paulo: Editora Loyola; 2002.

Aristóteles. Ética a Nicômacos. Brasília: Editora Universidade de Brasília; 1992.

Kipper DJ, Clotet J. Princípios da Beneficência e Não-Maleficência. In Costa SIF, Oselka S, Garrafa V. Iniciação à bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina; 1998, 37-51.

Hume D. Enquiries: an enquity concerning the principles of morals. Oxford: Clarendon Press; 1989.

Gordillo S. Solidariedade e cooperação. In Casado M. Sobre a dignidade e os princípios: análise da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos da UNESCO. Porto Alegre: EdiPUCRS; 2013, 417-423.

Jiménez CAR. La solidaridad como un valor bioético. Pers.Bioét. 2011;15(1):10-25.

Selli L, Garrafa V, Meneghel SN. Bioética, solidariedade, voluntariado e saúde coletiva: notas para discussão. Rev Bioética. 2005;13(1):53-64.

Bocchi SCM, Andrade J, Juliani CMCM, Berto SJP, Spiri WC. Experiência do voluntário junto ao idoso dependente. Esc Anna Nery . 2010; 14(4):757-764.

Márquez BM, Gil JR, Heredia JAG, Flores SL, Toro LB. Desarrollo de un plan de voluntariado en cuidados paliativos. Med. paliat. 2008;15(2):82-88.

Yélamos C, Montesinos F, Egino A, Fernández B, González A, Paredes AG. “Mucho X Vivir”. Atención psicosocial para mujeres con cáncer de mama.

Psicooncología. 2007;4(2-3):417-422.

Oermsnn MC, Gomez MVN, Negre ME, Oliver EB. 2011 año Europeu del Voluntariado: el voluntariado em cuidados paliativos. Med. Paliat. 2011;18(3):85-86.

Ribeiro PC, Neri AL, Cupertino APFB, Yassuda MS. Variabilidade no envelhecimento ativo segundo gênero, idade e saúde. Psicol. estud. 2009;14(3): 501-509.

González RG, Merino EC, Mendo AH, Sánchez VM. Evolución de la Calidad Percebida em Programas de Voluntariado Deportivo: um Estudio Piloto. Cuadernos de psicologia del deporte. 2011;11(2):163-170.

Montesinos F, Martínez A, Fernández B. Formación y satisfación del voluntariado de cuidados paliativos. Psicooncología. 2008;5(2-3):401-408.

Blasco PG. É possível humanizar a medicina? Reflexão a propósito do uso do cinema na educação médica. O Mundo da Saúde. 2010;34(3):357-367.

Moniz ALF, Araújo TCCF. Voluntariado hospitalar: um estudo sobre a percepção dos profissionais de saúde. Estudos de Psicologia. 2008;13(2):149-156.

Comitê de Humanização Hospitalar da Santa Casa de São Paulo. Norma interna das atividades de voluntariado da Santa Casa de São Paulo. Rev. adm. saúde. 2007;9(35):63-66.

Clotet J, Feijó A. Bioética: uma visão panorâmica. In: Clotet J, Feijó A, Oliveira MG. Bioética: uma visão panorâmica. Porto Alegre: EdiPUCRS; 2005. p. 9-20.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Planejamento Estratégico 2011-2015, p. 20.

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA. Disponível em: https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20180319_gaudete-et-exsultate.html. Acesso em: 10 abr 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.